Sendo o sistema operativo móvel mais usado em todo o mundo, o Android é por isso o principal alvo de malware (softwares mal intencionados). No primeiro trimestre de 2015, os cibercriminosos “aumentaram” o número de ataques ao sistema móvel da Google.

Segundo o relatório da G DATA, no primeiro trimestre de 2015 foram descobertos 440,267 novas ameaças para o Android, o que equivale a um novo malware a cada 18 segundos (mais concretamente 17,6 s).

O relatório revela também que 50% do malware tem associado uma “motivação financeira”.

“O uso de  smartphones e tablets para serviços bancários online está aumentando rapidamente. Com a sua posição dominante no mercado, o sistema operacional Android em particular é de chamar a atenção de criminosos cibernéticos. Por isso, não é nenhuma surpresa que os atacantes estão desenvolvendo e distribuindo malware financeiro como Trojans bancários especialmente para esta plataforma.

Como tal, estamos esperando um aumento significativo no volume de malware com motivação financeira para o sistema operacional ANDROID este ano.”

Christian Geschkat, G DATA Gerente de Solução de Produtos Mobile

Android_malware3

Comparativamente ao último trimestre de 2014, o número de malwares neste primeiro trimestre de 2015 aumentou 6,4%. Se compararmos com o primeiro trimestre de 2014 (detectadas 363, com 153 novas ameaças), então o crescimento de malware está por volta dos 21%.

a-new-malware-sample-for-android-appears-every-18-seconds-485920-3

É inegável que a ousadia desses hackers vem aumentando a proporção que a sistema ganha o espaço em todo o mundo. Hackers com motivação financeira se especializam e diversificam mais é mais as aplicações em busca de alvos específicos.

Recentemente, fomos informados também que 1 em cada 6 aplicações de software existentes para Android é um malware disfarçado, o que é preocupante tendo em conta que este é o sistema operativo mais usado em todo o mundo.

Será que em algum dia o malware poderá “tirar o título” da plataforma Android de sistema mais usado no mundo?

Fonte: GData