Asus LolliFlash (AFLU001), um curioso mini-iluminador LED que tem o mérito de poder ser usado (na prática) com qualquer smartphone do mercado, já que ele não depende do smartphone para funcionar (falaremos mais sobre isso).

A menos de duas semanas do lançamento oficial do Zenfone 2 no Brasil, a Asus também liberou para testes alguns acessórios projetados especificamente para o novo smartphone da casa — ou até que não — diga-se de passagem.

Como é com comum na linha de acessórios da Asus, sua apresentação é muito boa e mostra todo o esforço da empresa de se apresentar como uma marca premium, no mesmo nível de concorrentes como Logitech, Samsung, Nokia e até mesmo Sony.

Mini-Iluminador LED

Asus LolliFlash 2

O efeito colateral disso é que seus preços sugeridos não costumam ser os mais em conta do mercado, o que até abre espaço para os produtos de terceiros, mas neste caso vale a velha máxima de que você paga exatamente por aquilo que está levando (incluindo o que é de direito do nosso governo na forma de impostos).

O LolliFlash é formado pelo iluminador propriamente dito e três “tampinhas” de silicone que fazem o papel de filtro de cores.

Já o produto em si não é maior que um botão de casaco, medindo aproximadamente 3,1 cm de diâmetro x 11 cm de espessura (sem contar o plug). Ele pesa aproximadamente 8 gramas e está disponível em cinco cores.

Nagano responde: Big deal! O meu com o passar do tempo também pode até ficar amarelo mas o seu nunca vai ficar branco, haw haw haw!

Interessante observar que esse acessório também adota o sistema de LED de duas cores — branco e  âmbar — presente nos smartphones mais recentes, cuja função é de equilibrar as cores evitando assim as chamadas imagens “lavadas” causada pela luz totalmente branca.

Segundo a Asus, sua intensidade máxima de iluminação é de 13 Lux e o ângulo de abertura do seu facho é de 70°. A temperatura de cor dos LED branco e âmbar é de 5.000°K  e 2.700°K  (+/- 500°K) respectivamente.

Uma curiosidade desse produto é a presença de um plug “falso” o que permite instalar o LolliFlash na porta de som de 3,5mm do smartphone. Note que essa conexão é somente física, já que não existem conexões elétricas que permitem a transferência de comandos e até de energia do smarthone para o iluminador, provando assim que o acessório trabalha realmente de modo autônomo e pode até ser usado sem estar conectado ao smartphone, possibilitando assim ângulos de iluminação mais criativos ou mesmo usá-lo como lanterna (yaaay!)

Para isso, o LolliFlash possui sua própria fonte de energia na forma de uma minúscula bateria interna de lítio que pode ser recarregada por meio da sua porta USB micro.

Assim, para recarregá-lo é preciso conectá-lo a um PC ou adaptador de tomada via cabo USB que pode ser o mesmo usado nos smartphones. Note que ao fazer isso, uma luz vermelha se acende no dispositivo indicando que ele está sendo carregado e fica  verde quando a operação for completada.

Segundo a Asus, a autonomia dessa bateria pode variar de 20 minutos até 3 horas (de uso contínuo) dependendo do modo de uso. Vale a pena observar que o LolliFlash não liga enquanto estiver sendo carregado.

Talvez a maior desvantagem do LolliFlash não se comunicar diretamente com o smartphone, é a impossibilidade deste último controlar a potência da luz de modo a facilitar a iluminação correta do assunto de acordo com a distância e/ou iluminação do ambiente. Apesar disso, sua potência e brilho pode ser ajustada manualmente em três níveis diferentes.

Para ativar o iluminador basta pressionar o botão de liga/desliga (embaixo) que e ele brilha na potência mais baixa. Ao pressionamos uma segunda e terceira vez, o brilho passa para médio, alto e na quarta vez ele desliga.Xenon-Flash-2

Como era de se esperar, sua aplicação mais óbvia é como iluminador para a câmera frontal do smartphone que, na maioria dos casos, não conta com esse recurso e pode ser o presente dos céusda Asus para aqueles que tiram selfies em locais escuros.

Mas também nada impede que ele seja usado como uma fonte de iluminação externa (para economizar bateria) ou adicional para a câmera traseira.

O interessante é que essa independência de plataforma permite que esse acessório também possa ser usado em smartphones de outras marcas — de preferência, naqueles cujo plug de som fica no lado de cima — ou até em tablets que — em muitos casos (ou quase sempre) — não conta com flash/iluminador nem na câmera de trás (eita!)

Fizemos alguns testes com o Lolliflash e notamos que ele funciona muito bem como luz de preenchimento, cuja potência pode ser ajustada de acordo com o gosto do usuário. Alertamos porém — em especial os fãs de selfies — que olhar diretamente para a luz desse iluminador por mais de alguns segundos pode ser uma experiência bem desagradável e que pode levar a um ofuscamento/cegueira momentânea.

E antes de testarmos esse acessório com a câmera traseira, fiz algumas fotos do nosso tema iluminado apenas com a luz do ambiente (sem flash), com o modo de “Pouca Luz” ativado e usando o próprio flash da câmera para servir de referência.

Feito isso, ligamos o iluminador e tiramos uma foto com cada nível de intensidade e — o que pudemos notar — é que o resultado no geral foi bom nos três casos. De fato, até esperávamos que nos modos médio e alto as imagens saíssem mais lavadas, mas acreditamos que o sistema de fotometria da câmera do Zenfone interveio, compensando a exposição para evitar que isso ocorra.

Finalmente experimentamos usar os filtros coloridos (com o nível de potência baixo) para ver os resultados. O que notamos é que não vimos muita diferença de usar ou não o filtro branco, enquanto que a capa azul resultou numa imagens com tons mais frios (duh!) enquanto que a vermelha “esquentou” as cores (duuh!) Neste caso também não podemos ignorar a possível intervenção do automático da câmera.

overview-lolliflash

Sendo sincero, quando recebemos esse acessório para testes, eu não botei muita fé nele já que ele parecia mais um brinquedo de plástico e/ou uma cópia sem vergonha do Vibe Xtension Selfie Flashda Lenovo.

Mas depois de passar um tempo com o LolliFlash, dá pra ver que tratam-se de animais diferentes, sendo que este último tem a vantagem de funcionar com outros smartphones/tablets da casa e até mesmo de outros fabricantes o que pode ser um atrativo até para aqueles usuários que não tem um Zenfone.

E trata-se de uma boa compra? Neste exato momento (06/ago) é difícil dizer já que o seu preço ainda não foi divulgado e nem será até o próximo dia 20 de agosto, data do lançamento oficial do Zenfone 2no Brasil. Só espero que até lá a crise econômica e a alta do dólar não torne esse produto muito caro.

Quem viver verá